terça-feira, 21 de agosto de 2007

Trabalho...trabalho...trabalho

Sumi...tô trabalhando pra caralho...ando tão cansada...acordo de manhã jurando que não dormi nada...fazer o quê??
E ainda pra completar acho que não vou alcançar minha meta de chegar aos 71Kg este mês...sniff, vamos ver vou em Uberaba no Dr. Luiz dia 31/08, quem sabe???

Hoje recebi uma mensagem fantástica sobre relacionamento no trabalho segue;
Bjim

Max Gehringer, nascido em Jundiaí em 1949, é escritor e economista, autor de diversos livros sobre carreiras e gestão empresarial, tornou-se conhecido por suas colunas em várias revistas (Você S/A, Exame, Época) na rádio CBN e no Fantástico da TV Globo.
Max Gehringer começou sua carreira como office-boy na antiga fábrica da Cica em Jundiaí. Graduou-se em Administração de Empresas. Foi escolhido como um dos "30 Executivos Mais Cobiçados do Mercado" em pesquisa do jornal Gazeta Mercantil em janeiro de 1999. Foi um dos cinco finalistas do prêmio Top of Mind em 2005 e 2006 na categoria "Palestrante".

Regra número 1:
colegas passam, mas inimigos são para sempre. A chance de uma pessoa se lembrar de um favor que você fez a ela vai diminuindo à taxa de 20% ao ano. Cinco anos depois, o favor será esquecido. Não adianta mais cobrar. Mas a chance de alguém se lembrar de uma desfeita se mantém estável, não importa quanto tempo passe. Exemplo: se você estendeu a mão para cumprimentar alguém em 1997 e a pessoa ignorou sua mão estendida, você ainda se lembra disso em 2007.

Regra número 2:
A importância de um favor diminui com o tempo, enquanto a importância de uma desfeita aumenta. Favor é como um investimento de curto prazo. Desfeita é como um empréstimo de longo prazo.Um dia, ele será cobrado, e com juros.

Regra número 3:
Um colega não é um amigo. Colega é aquela pessoa que, durante algum tempo, parece um amigo. Muitas vezes, até parece o melhor amigo. Mas isso só dura até um dos dois mudar de emprego. Amigo é aquela pessoa que liga para perguntar se você está precisando de alguma coisa.Ex-colega que parecia amigo é aquela pessoa que você liga para pedir alguma coisa, e ela manda dizer que no momento não pode atender.

Durante sua carreira, uma pessoa normal terá a impressão de que fez um milhão de amigos e apenas meia dúzia de inimigos. Estatisticamente, isso parece ótimo, mas não é. A "Lei da Perversidade Profissional" diz que, no futuro, quando você precisar de ajuda, é provável que quem mais poderá ajuda-lo é exatamente um daqueles poucos inimigos.

Portanto, profissionalmente falando, e pensando a longo prazo, o sucesso consiste, principalmente, em evitar fazer inimigos.
Porque, por uma infeliz coincidência biológica, os poucos inimigos são exatamente aqueles que tem boa memória.

Um comentário:

Hérika disse...

Paty, desculpe por estar ausente do seu blog....mas para mim também esta muita corria no serviço, sorry!

Estou na torcida por ti para sua meta.

Beijos

Hérika